Está aqui

Economia numa imagem

Economia numa imagem

No conjunto das grandes empresas, as maiores têm uma probabilidade mais alta de permanecer no topo

08.01.2021

Economia numa imagem: No conjunto das grandes empresas, as maiores têm uma probabilidade mais alta de permanecer no topo

Considerando o conjunto das 200 empresas em Portugal com maior volume de negócios, em cada ano do período 1981 a 2018, observa-se maior estabilidade nas posições cimeiras do ranking. As empresas nas posições [1-25] apresentam uma probabilidade de se manterem nessa classe que decresce lentamente, situando-se em 87% e 81% após 1 e 2 anos, respetivamente, e que permanece em torno de 29% após 20 anos. No caso das empresas posicionadas na classe [26-50] as probabilidades de se manterem na mesma classe diminuem à medida que aumenta o horizonte temporal considerado, situando-se em 17% após 20 anos. Pelo contrário, nos intervalos mais baixos do ranking, as probabilidades diminuem mais rapidamente e caem abaixo de 5% depois de 20 anos.

Conclui-se também que, em média, para diferentes classes e períodos temporais, a probabilidade de se registarem movimentos ascendentes dentro do ranking é menor do que a probabilidade de se registarem quedas.

 

Para mais detalhes ver Amador, Lourenço, Magalhães e Pimenta (2020): “Ascensão e declínio das maiores empresas em Portugal”, publicado na Revista de Estudos Económicos do Banco de Portugal, vol. VI, n.º 4.

 

Preparado por Ana Catarina Pimenta e João Amador. As análises, opiniões e resultados expressos neste espaço são da exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem necessariamente com os do Banco de Portugal ou do Eurosistema.

 

Se desejar receber um e-mail quando for publicado um novo “Economia numa imagem” envie o seu pedido para info@bportugal.pt