Está aqui

Economia numa imagem

As empresas que utilizam capital de forma mais intensiva têm uma mão-de-obra mais qualificada

28.10.2022

Nas empresas portuguesas existe uma associação positiva entre a intensidade capitalística e o salário médio. Tal está de acordo com a hipótese de complementaridade entre capital e qualificações, que sustenta que o trabalho não qualificado é mais facilmente substituível por capital do que o trabalho qualificado. Além disso, esta associação tem um carácter não-linear, uma vez que acréscimos sucessivos da intensidade capitalística estão associados a menores aumentos das qualificações dos trabalhadores. A relação entre as duas variáveis tem um perfil semelhante na indústria e nos serviços, mas neste último setor verifica-se um salário médio menor, para um dado valor da intensidade capitalística, face à indústria.

Para mais detalhes, ver o Tema em Destaque “Acumulação de fatores produtivos pelas empresas portuguesas”, Boletim Económico de Outubro de 2022 do Banco de Portugal. 

Preparado por Manuel Coutinho Pereira. As análises, opiniões e resultados expressos neste espaço são da exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem necessariamente com os do Banco de Portugal ou do Eurosistema.

Se desejar receber um e-mail quando for publicado um novo “Economia numa imagem” envie o seu pedido para info@bportugal.pt.