Está aqui

Economia numa imagem

Após a crise financeira de 2008, a qualidade das relações bancárias das pequenas empresas deteriorou-se mais do que a das grandes

19.08.2022

A teoria económica postula que as características das empresas e dos bancos determinam a formação das relações de crédito. A análise empírica mostra, por exemplo, que os bancos maiores e mais capitalizados e as empresas com menos risco têm uma maior probabilidade de estabelecer relações creditícias. 

As mesmas características das empresas e dos bancos levam ao estabelecimento de relações creditícias diferentes quando se formam em períodos “normais” ou em períodos de crise financeira (durante os quais se formam relações “imperfeitas”). A menor qualidade das relações estabelecidas durante a crise financeira é uma medida das dificuldades de acesso ao crédito por parte das empresas neste período. Durante a última crise financeira, a qualidade das relações bancárias deteriorou-se muito para as empresas de menor dimensão, mas manteve-se relativamente estável para as empresas maiores.

Para mais detalhes, ver Farinha, Kokas, Sette e Tsoukas (2022), “Real effects of imperfect bank-firm matching”, Banco de Portugal WP 202210.

Preparado por Luísa Farinha. As análises, opiniões e resultados expressos neste espaço são da exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem necessariamente com os do Banco de Portugal ou do Eurosistema.

Se desejar receber um e-mail quando for publicado um novo “Economia numa imagem” envie o seu pedido para info@bportugal.pt.