Está aqui

Inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito na área do euro realizado em julho de 2022

  • Aumento da restritividade dos critérios de concessão de crédito aplicados aos empréstimos às empresas e às famílias, com a incerteza a manter-se elevada e a política monetária a tornar-se menos acomodatícia
  • A procura de empréstimos pelas empresas continuou a aumentar, impulsionada por necessidades de fundos de maneio
  • Os bancos reportam uma deterioração no acesso a financiamento por grosso

 

De acordo com o inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito realizado em julho de 2022, a restritividade dos critérios de concessão de crédito – ou seja, as diretrizes internas ou critérios de aprovação de empréstimos dos bancos – aplicados aos empréstimos ou linhas de crédito às empresascontinuou a aumentar consideravelmente (percentagem liquida de bancos de 16%, ver o gráfico 1) no segundo trimestre de 2022. No que respeita aos empréstimos às famílias para aquisição de habitação, os bancos da área do euro reportaram um forte aumento da restritividade líquida dos critérios de concessão de crédito (percentagem líquida de 24%), ao passo que a restritividade dos critérios de concessão de crédito aplicados ao segmento do crédito ao consumo e outros empréstimos às famílias aumentou moderadamente (percentagem líquida de 9%). Num contexto de elevada incerteza, de continuação de perturbações nas cadeias de abastecimento e de preços elevados dos produtos energéticos e dos fatores de produção, os bancos citam perceções de maior risco e menor tolerância ao risco como fatores subjacentes à maior restritividade líquida dos critérios de concessão aplicados aos empréstimos às empresas. Uma vez que a política monetária se está a tornar menos acomodatícia, os bancos da área do euro também reportaram que o seu custo de financiamento e restrições de balanços tinham contribuído para um aumento da restritividade dos critérios de concessão de crédito aplicados aos empréstimos às empresas e às famílias. Para o terceiro trimestre de 2022, preveem um aumento da restritividade líquida dos critérios de concessão de crédito aplicados aos empréstimos às empresas com uma magnitude semelhante à do segundo trimestre (18%). Além disso, os bancos da área do euro preveem que a restritividade dos critérios de concessão de crédito continue a aumentar quer nos empréstimos para aquisição de habitação (24%) quer no crédito ao consumo (13%).

A restritividade dos termos e condições gerais dos bancos (ou seja, os termos e condições efetivos subjacentes à contratação de crédito) aplicados aos empréstimos às empresas e aos empréstimos às famílias aumentou no segundo trimestre de 2022. No que respeita aos empréstimos às empresas, tal deveu-se principalmente a um aumento considerável dos spreads aplicados nos empréstimos de maior risco, enquanto os spreads aplicados nos empréstimos de risco médio aumentaram de forma mais moderada. Apesar do aumento da restritividade líquida dos termos e condições, os spreads aplicados nos empréstimos para aquisição de habitação e de crédito ao consumo diminuíram, refletindo, em parte, o facto de as taxas de referência de mercado relevantes para os custos de financiamento dos bancos terem aumentado mais do que as taxas de juro dos empréstimos às famílias.

De um modo geral, os bancos reportaram um aumento da procura de empréstimos ou do recurso a linhas de crédito pelas empresas no segundo trimestre de 2022 (ver o gráfico 2). A procura de empréstimos continuou a ser impulsionada pelas necessidades de financiamento das empresas para fundos de maneio, o que deverá estar relacionado com os preços mais elevados dos produtos energéticos e das matérias-primas no contexto das atuais perturbações na cadeia de abastecimento. O investimento fixo teve um impacto atenuante na procura líquida de empréstimos por parte das empresas, indicando que estas poderão estar a adiar o investimento na atual conjuntura de incerteza. Além disso, o contributo positivo do nível geral das taxas de juro para a procura de empréstimos foi mais moderado em comparação com o trimestre anterior. No segundo trimestre de 2022, a procura líquida de empréstimos para aquisição de habitação diminuiu após um aumento no primeiro trimestre, enquanto a procura de crédito ao consumo e outros empréstimos às famílias continuou a aumentar em termos líquidos. A diminuição líquida da procura de empréstimos para aquisição de habitação deveu-se principalmente à menor confiança dos consumidores e ao nível geral das taxas de juro, ao passo que o aumento da procura de crédito ao consumo foi predominantemente impulsionado pela despesa em bens duradouros. Para o terceiro trimestre de 2022, os bancos preveem uma diminuição líquida da procura de empréstimos por parte das empresas, uma forte diminuição líquida da procura de empréstimos para aquisição de habitação e uma procura globalmente inalterada do crédito ao consumo.

De acordo com os bancos inquiridos, o acesso aos mercados monetários, a titularização e, em particular, a títulos de dívida deteriorou-se, em termos líquidos, no segundo trimestre de 2022, refletindo o aumento da restritividade das condições nos mercados financeiros para os bancos. Em contrapartida, o acesso ao financiamento a retalho melhorou ligeiramente no mesmo período. No primeiro semestre de 2022, os rácios dos créditos não produtivos (non-performing loans – NPL) da área do euro tiveram um impacto reduzido de aumento da restritividade líquida nos critérios de concessão aplicados aos empréstimos às empresas, mas não foi reportado qualquer impacto nos empréstimos para aquisição de habitação e no crédito ao consumo ou outros empréstimos. Na maioria dos principais setores económicos, os bancos da área do euro indicaram um aumento mais pronunciado da restritividade líquida dos critérios de concessão de crédito aplicados aos novos empréstimos às empresas. Reportaram igualmente um aumento líquido da procura de empréstimos ou linhas de crédito em todos os principais setores económicos, em linha com o aumento global reportado da procura de empréstimos por parte das empresas no primeiro e segundo trimestres de 2022.

O inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito na área do euro, realizado quatro vezes por ano, foi desenvolvido pelo Eurosistema com o objetivo de melhorar a compreensão sobre o comportamento do crédito bancário na área do euro. Os resultados do inquérito realizado em julho de 2022 referem-se a alterações no segundo trimestre de 2022 e a expetativas de alterações no terceiro trimestre de 2022, salvo indicação em contrário. A ronda do inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito realizada em julho de 2022 ocorreu entre 10 e 28 de junho de 2022. No total, 153 bancos participaram nesta ronda do inquérito, com uma taxa de resposta de 100%.


Notas

· Esta ronda do inquérito encontra-se disponível no sítio do BCE. Uma cópia do questionário, um glossário de termos do inquérito e um guia sobre o inquérito com informação sobre as chaves das séries encontram-se disponíveis no mesmo sítio Web.

· As séries de dados da área do euro e nacionais encontram-se disponíveis no sítio do BCE através do Statistical Data Warehouse. Os resultados nacionais, publicados pelos respetivos bancos centrais nacionais, podem ser obtidos através do sítio do BCE.

· Para mais informações sobre o inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito, ver Köhler-Ulbrich, P., Hempell, H. e Scopel, S., “The euro area bank lending survey”, Série de Documentos Ocasionais, n.º 179, BCE, 2016.