Está aqui

Comunicado do Banco de Portugal sobre o Relatório Anual da Atividade de Cooperação de 2016

O Banco de Portugal publica hoje, pela primeira vez, o Relatório Anual da Atividade de Cooperação.

Este relatório dá a conhecer o trabalho de cooperação realizado em 2016 pelo Banco de Portugal com instituições congéneres de economias emergentes e em desenvolvimento e, em particular, com os bancos centrais dos países de língua portuguesa.

A atividade de cooperação do Banco de Portugal tem como objetivo responder aos desafios de desenvolvimento, modernização e consolidação dos países e das instituições parceiras, através de ações de assistência técnica, encontros, projetos multilaterais, cursos, seminários, visitas de trabalho, estágios e bolsas de estudo.

A cooperação em 2016

Em 2016, o Banco de Portugal realizou 131 ações de cooperação com instituições congéneres de países de economias emergentes e em desenvolvimento, mais 25 do que em 2015. Do total de ações, 96 foram realizadas em parceria com países de língua portuguesa e 35 com países não lusófonos.

Entre outras ações realizadas, o Banco de Portugal:

  • acompanhou o funcionamento do Acordo de Cooperação Cambial entre Portugal e Cabo Verde e do Acordo de Cooperação Económica entre Portugal e São Tomé e Príncipe;
  • estabeleceu uma parceria com o Banco Nacional de Angola para apoiar as autoridades angolanas no processo de reconhecimento da equivalência aos requisitos de supervisão e regulação em vigor na União Europeia;
  • prestou assistência técnica ao Banco Central do Brasil na compilação de estatísticas financeiras;
  • apoiou o Banco de Cabo Verde na implementação do sistema integrado de gestão de operações de política monetária;
  • prestou assistência técnica ao Banco de Moçambique na avaliação da auditoria interna;
  • trabalhou com o Banco Central de São Tomé e Príncipe com vista à criação de uma central de balanços naquele país;
  • por solicitação do Banco Mundial, prestou assistência técnica ao Banco Central de Timor-Leste na criação de procedimentos internos de prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo;
  • organizou a 26ª edição do Encontro de Lisboa, que reúne anualmente em Portugal os governadores dos bancos centrais dos países de língua portuguesa para preparar as reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial; no âmbito deste Encontro, foram definidos os princípios de cooperação entre os bancos centrais da lusofonia para os próximos anos.

Em 2016, o Banco de Portugal reforçou também a cooperação com outros países emergentes e em desenvolvimento através do CEMLA – Centro de Estudios Monetarios Latinoamericanos, que promove o conhecimento, a capacitação, a investigação e a cooperação no domínio monetário e financeiro na América Latina e Caraíbas. O Banco recebeu o II Fórum de Informação Financeira e a Reunião de Governadores dos Bancos Centrais do CEMLA, instituição que integra desde 1980.