Historical Archive
PT | EN

Correspondência Privativa do Banco de Portugal em Torres Vedras

Available actions

Reader available actions

 

Correspondência Privativa do Banco de Portugal em Torres Vedras

Description details

Description level

Fonds   Fonds

Reference code

PT/BP/BP-T.VEDRAS

Production dates

1927-01-03  to  1932-10-04 

Dimension and support

26 ; Papel

Biography or history

Funcionando como correspondência vulgar ligada à Sede, Torres Vedras ascende a correspondência privativa pela deliberação do Conselho Geral de 30 de Setembro de 1926, em virtude do elevado volume de desconto que efetuava e inicia, de facto, as suas operações em 3 de janeiro de 1927, tendo à sua frente Fernando Martins Costa, o anterior correspondente na localidade.

Torres Vedras encontra-se numa zona extremamente fértil de legumes e fruta, sendo igualmente um importante centro comercial e vinícola.

As suas principais tarefas eram, entre outras: o desconto de letras, prestar informações sobre firmas ou indivíduos da zona e, dar conhecimento das falências ocorridas na área. Era submetida regularmente a visitas de inspeção estipuladas pela Sede, para conferência e verificação dos saldos e valores existentes em Caixa. Devia elaborar e enviar à Sede o balanço anual com desenvolvimento dos saldos acompanhados de relatório.

Os principais problemas com que a correspondência se debateu nos cinco anos da sua existência foram: exiguidade nos limites da concessão de crédito, a agiotagem, a proximidade da Sede, onde eram efetuadas a maioria das transações, a proliferação de casas bancárias na localidade, as quais não cobravam prémios pelos saques, contrariamente ao praticado na Correspondência e, aumento de falências, a partir de 1930.

Nos anos 30, tendo em conta a situação de crise que se vivia por todo o País, à qual o Banco não era alheio, os lucros líquidos da correspondência decresceram consideravelmente. A remodelação que se impunha ocorreu. O Conselho Geral aprovou uma proposta de encerramento e ou passagem a Agência, das Correspondências Privativas então existentes. Nesta sequência o Conselho de Administração, em 27 de Setembro de 1932, deliberou o encerramento da praça de Torres Vedras como Correspondência Privativa, passando a funcionar a partir de 1 de Outubro desse ano, ligada à Sede, como Correspondência ordinária.

EDIFÍCIO

A correspondência instalou-se na Av. 5 de Outubro, em imóvel alugado.

Alternative form available

Nenhuma

Related material

Banco de Portugal (BP-CG; BP-DEL)