Arquivo Histórico
PT | EN

Plano de classificação

Sobretaxas de Exportação

Ações disponíveis

Ações disponíveis ao leitor

Consultar no telemóvel

Código QR do registo

Partilhar

 

Sobretaxas de Exportação

Detalhes do registo

Nível de descrição

Subfundo   Subfundo

Código de referência

PT/BP/BP-SEXP

Título

Sobretaxas de Exportação

Datas de produção

1922-07-25  a  1937-12-24 

Dimensão e suporte

207 Livros e 15 Caixas ; 627 Centímetros ; Papel

História administrativa/biográfica/familiar

A relação de cumplicidade entre o Banco de Portugal e as operações bancárias do Estado, enquanto Caixa do Tesouro, vêm de longo tempo.Em 1922, com a publicação do Decreto nº 8280, de 22 de Julho, essa relação é reforçada. Segundo este diploma, as mercadorias constantes de uma tabela anexa ficavam sujeitas, na exportação ou reexportação de Portugal, Açores ou Madeira, para o estrangeiro, ao pagamento ao Estado de sobretaxas especiais. Pelo art.º 2º, o Banco de Portugal era incumbido do recebimento dessas sobretaxas de exportação, importâncias essas que os exportadores ou reexportadores eram obrigados a depositar por conta das suas transações com o estrangeiro.Para dar resposta a esta nova incumbência, a 21 de Julho de 1922, o Conselho Geral criou um serviço autónomo designado de Divisão do Serviço de Sobretaxas de Exportação. O depósito das sobretaxas de exportação estava limitada às agências distritais do litoral e da raia, bem como às agências privativas da Figueira da Foz e Setúbal (depois agências) e às correspondências de Albufeira, Barreiro, Caminha, Campo Maior, Cascais, Sesimbra, Chaves, Elvas, Ílhavo, Lagos, Monção, Olhão, Peniche, Portimão, Póvoa de Varzim, S. Tiago do Cacém, Silves, Tavira, Vila do Conde e Vila Real de Santo António. Todas estas localidades possuíam postos fronteiriços ou serviços aduaneiros importantes, daí o seu carácter de exceção no serviço de depósito das referidas sobretaxas.Os decretos nº 8387 e nº 8439, de 26 de Setembro de 1922 e de 21 de Outubro de 1922, respetivamente, reestruturam o regime de depósito das sobretaxas de exportação. Contudo, o Serviço não sofre alterações, uma vez que a função essencial desempenhada mantinha-se: receção e controlo de depósitos e restituição das importâncias pagas pelos exportadores e/ou reexportadores, por conta do Estado.Para dar resposta à grande crise económica e financeira de 1929 e dando início a um processo de simplificação do processo cambial que tinha sido complexificado nos últimos anos pela criação das sobretaxas de exportação, em 13 de Novembro de 1930, é promulgado o Decreto nº 19031. Algum do trabalho de controlo exercido até então pelo serviço do Banco é transferido para as competências da Inspeção do Comércio Bancário, instituição que tinha sido criada anos antes pela reestruturação da Inspeção de Câmbios, e que acumulava, ainda, funções sancionatórias: levantar autos de transgressão e definir sanções aos exportadores, autorizar prorrogações nas cobranças de cambiais a favor do Estado, assim como dar resposta a petições reivindicativas dirigidas à tutela das Finanças. Com vista à abolição das restrições ainda em vigor impostas ao comércio cambial e à livre circulação de capitais, a publicação do Decreto nº 28088, de 18 de Outubro de 1937, põe fim ao regime de sobretaxas de exportação e, em consequência, nessa mesma data, a Divisão de Sobretaxas de Exportação foi extinta. O pessoal que integrava o serviço foi distribuído por outros serviços e algumas das competências do antigo serviço foram absorvidas pelo recém-criado Serviço de Acordos de Compensação e Pagamentos e pela já existente Divisão de Operações Cambiais.

Sistema de organização

Cronológico e alfabético

Existência e localização de cópias

Nenhuma