Historical Archive
PT | EN

Banco Pinto & Sotto Mayor

Available actions

Reader available actions

 

Banco Pinto & Sotto Mayor

Description details

Description level

Subsubfond   Subsubfond

Reference code

PT/BP/BP-DSP-BPSM

Production dates

1921-09-16  to  1976-12-28 

Dimension and support

1 Caixa ; Papel

Biography or history

As origens do Banco Pinto & Sotto Mayor remontam à casa bancária Pinto & Sotto Mayor, criada em 30 de junho de 1914, por Cândido Sotto Mayor Júnior e António Vieira Pinto. Na altura tomaram de trespasse o estabelecimento de câmbios e papéis de crédito de José Ferreira Chumbo.

Com sede em Lisboa, na Rua do Comércio, a casa bancária tinha por objeto social o comércio de compra e venda de papéis de crédito, moedas e as demais transações inerentes ao ramo bancário. O capital social da firma era de 30 contos.

Em 1925, procurando fortalecer o negócio, o pacto social é alterado e são admitidos novos sócios na instituição, 25 em nome individual e 2 instituições de crédito: o Banco Português do Brasil e o Banco Comercial do Rio de Janeiro. De referir as fortes ligações que havia entre a casa comercial e o Brasil, através da pessoa de Cândido Sotto Mayor, pai do fundador da casa Pinto & Sotto Mayor.

Assim, por escritura de 28 de março de 1925 (Diário do Governo, III série, de 04 de abril), a casa bancária é transformada em sociedade anónima de responsabilidade limitada, sob a denominação de Banco Pinto & Sotto Mayor com o capital de 30.000 contos.

O Banco Pinto & Sotto Mayor participou no capital social de diversas empresas, tais como a Fosforeira Nacional, a Companhia de Seguros “Sagres”, a Companhia Ocidental Portuguesa e a União Elétrica Nacional. Participou também na criação do Banco Colonial Português (1919), do Banco Nacional Agrícola (1921), do Banco Colonial e Agrícola Português (1923) e incorporou o Banco Mercantil de Viana.

Na década de 20, deu início à sua expansão geográfica no território nacional, com a abertura de uma filial no Porto e de balcões em Braga, Coimbra Viseu, Viana do Castelo, Chaves, Celorico da Beira e Régua. A partir dos anos 50, acompanhando o clima favorável da economia nacional, o banco expandiu-se em Lisboa, no Porto, em Águeda, Fundão, Barcelos, Vila Nova de Gaia e Oliveira de Azeméis. Em 01 de abril de 1952, o capital social é aumentado para 45.000 contos.

Os anos 60 ficaram marcados pela entrada de António Champalimaud na instituição e pelo alargamento da rede de agências ao território ultramarino. Este alargamento, principalmente a Angola e Moçambique visava acompanhar o desenvolvimento dos negócios e interesses de António Champalimaud no Ultramar. Abriram-se numerosas agências nestas províncias. Nesta época, o Banco Pinto & Sotto Mayor participou na fundação do Blantyre Commercial Bank of Malawi (1968), estabeleceu delegações em Paris e no Luxemburgo, a partir de acordos com o Crédit Commercial de France e o Crédit Européen, e abriu agências em Dusseldorf, na Alemanha, e no Canadá, em Toronto e Montreal (1970).

A necessidade de abertura de uma agência em Ponta Delgada levou à aquisição, em 1971, do Banco Agrícola de São Miguel.

O clima de expansão e desenvolvimento foi interrompido com a revolução de abril de 1974 e com a consequente nacionalização da banca nacional, decretada em 14 de março de 1975 (Decreto-Lei nº 132-A/75). Com o estatuto de empresa pública (Decreto-Lei nº 729-F/75), em 1977, o banco foi reestruturado e incorporou o Banco Intercontinental Português.

Em 1982, o pacto social ser alterado e o capital social elevado a 4.000.000 contos. Em 1989, o capital é novamente alterado para os 20.000.000 contos. Em setembro de 1990, o mesmo foi aumentado para os 26.000.000 contos. Ainda neste ano, o estatuto do banco é alterado para sociedade anónima e em 1992, o capital é novamente elevado, para 30.500.000.

Em 29 de julho de 1993, através da Resolução do Conselho de Ministros nº 52/93 (Diário da República, I série, de 02 de agosto), é regulado o processo de reprivatização do banco. Em 1994, foi adquirido pela Companhia de Seguros Mundial Confiança, SA, 80% do capital, tendo o restante, sido colocado à disposição de funcionários da instituição, pequenos subscritores e emigrantes (Resolução do conselho de Ministros nº 14-A/95).

Em 2000, a Caixa Geral de Depósitos fica com o controlo da Mundial Confiança e do banco. Nesse mesmo ano, as assembleias gerais do Banco Pinto e Sotto Mayor e do Banco Comercial Português chegam a acordo para a integração do primeiro na estrutura do Banco Comercial Português, tendo-se firmado essa fusão em dezembro de 2000.

Arrangement

Cronológico

Alternative form available

Nenhuma

Related material

Para informações complementares, ver também BP/DSP/BIPOR - Banco Intercontinental Português.