Historical Archive
PT | EN

Banco Intercontinental Português

Available actions

Reader available actions

 

Banco Intercontinental Português

Description details

Description level

Subsubfond   Subsubfond

Reference code

PT/BP/BP-DSP-BIPOR

Production dates

1971-06-07  to  1978-01-19 

Dimension and support

1 Caixa ; Papel

Biography or history

Em 07 de junho de 1971, a casa bancária lisboeta Augustine, Reis & Companhia, requereu autorização para a sua fusão com a casa bancária Sousa, Cruz & Companhia, Limitada, do Porto. Dessa fusão, a casa bancária lisboeta seria convertida em sociedade anónima de responsabilidade limitada sob a designação de Banco Intercontinental Português. A pretensão requerida foi autorizada por Portaria de 07 de março de 1972, publicada no Diário do Governo, III série, de 14 de março.

Por escritura lavrada no dia 14 de março de 1972 no 12º Cartório Notarial de Lisboa (Diário do Governo, III série, de 08 de abril de 1972), foi efetivada a fusão das sociedades mediante a incorporação do ativo e passivo da casa portuense na firma Augustine, Reis & Companhia. Em seguida, pela mesma escritura, a sociedade Augustine, Reis & Companhia foi transformada em sociedade anónima de responsabilidade limitada sob a designação de Banco Intercontinental Português, constituído com o capital social de 370.000 contos, representado por 370.000 ações, de 1000$00 cada.

O banco podia realizar operações bancárias consentidas por lei assim como todos os atos necessários ou acessórios a essas mesmas operações. A sede social do banco era em Lisboa, na Av. Fontes Pereira de Melo, estabelecendo-se uma filial no Porto e uma agência em Matosinhos (estas duas últimas, onde outrora estava instalada a casa Sousa, Cruz & Companhia, Limitada). Na sede da antiga casa Augustine, Reis & Companhia estabelecia-se uma dependência urbana.

Por Despacho de 12 de julho de 1972 o Banco Intercontinental Português foi autorizado a proceder à abertura de uma rede de agências pelo País, nomeadamente, em Arouca, Cascais, Coimbra, Funchal, Ribeira Grande e Valpaços, assim como outra dependência urbana na Avenida da República, em Lisboa. Em 1973, o banco obteve autorização para admissão à cotação em bolsa das ações representativa do seu capital social (370.000 contos). De acordo com os estatutos vigentes, o conselho de administração estava autorizado à elevação do capital até à quantia de 800.000 contos. Assim, em 24 de janeiro de 1973 é requerido o aumento do capital social da instituição para 800.000 contos, através da emissão de 430.000 ações de 1000$00 cada. A aprovação foi autorizada pela Portaria de 30 de novembro de 1973 e o pacto social foi alterado a 31 de dezembro de 1973 por escritura realizada no 12º Cartório Notarial de Lisboa.

Após abril de 1974, a conjuntura do país alterou-se e as mudanças políticas e económicas impunham novas medidas. Ao abrigo do Decreto-Lei nº 540-A/74, de 12 de outubro, em que foi permitida a intervenção do Estado nas instituições de crédito onde se verificassem desequilíbrios (através da nomeação de administradores próprios), por Despacho do Conselho de Ministros de 12 de outubro de 1974, a administração do Banco Intercontinental Português foi substituída por uma nova, sob administração do Estado.

Em 1975, o Decreto-Lei nº 132-A/75, de 14 de março, determinou a nacionalização de todas as instituições de crédito com sede em Portugal. Assim, o Banco Intercontinental Português foi nacionalizado ao abrigo desse diploma.

Com problemas, a Resolução do Conselho de Ministros nº 51-G/77, publicada no Diário da República, I série, de 28 de fevereiro de 1977, extingue o banco, com efeitos a partir de 01 de abril de 1977, transferindo-o para o Banco Pinto & Sotto Mayor.

Os ativos e passivos relacionados com a atividade anómala foram integrados numa instituição pública criada por Decreto nº 10/78, de 19 de janeiro de 1978, denominada Finangest – Empresa Financeira de Gestão e Desenvolvimento.

Arrangement

Cronológico

Alternative form available

Nenhuma

Related material

Para infromações anteriores ver IGCS/AR - Augustine, Reis & Companhia, IGCS/SC - Sousa, Cruz & Companhia, Limitada. Para informações posteriores consultar BP/DSP/BPSM - Banco Pinto & Sotto Mayor.