Arquivo Histórico
PT | EN

Plano de classificação

Estamparia

Ações disponíveis

Ações disponíveis ao leitor

Consultar no telemóvel

Código QR do registo

Partilhar

 

Estamparia

Detalhes do registo

Nível de descrição

Subfundo   Subfundo

Código de referência

PT/BP/BP-ESTAMP

Código de referência Nyron

BP/Estamp.

Título

Estamparia

Datas de produção

1846-12  a  1961-09-22 

Dimensão e suporte

19 Livros e 3 Caixas ; Centímetros ; Papel

História administrativa/biográfica/familiar

A estamparia esteve desde sempre ligada ao Banco. Transitou do Banco de Lisboa, sem interrupções, integrando o trabalho de estampagem de notas, aposição da letra da série, número, data, chancela e selo da administração, bem como a feitura de impressos e livros usados para todo o serviço do Banco.Para meados do séc. XIX, existe pouca informação que nos permita acompanhar o seu funcionamento e enquadramento hierárquico. Sabe-se que tinha contabilidade autónoma, pessoal independente do quadro, que variava conforme as necessidades do serviço e, um responsável - o diretor técnico, subordinado à direção. Dentro das competências do diretor técnico figurava a inutilização de chapas e chancelas desnecessárias ou fora de uso; os lugares de ajudante, de diretor técnico e de fiel de estamparia estavam sujeitos a caução.Na reorganização interna dos serviços de 1888, a Estamparia era a – 4ª Repartição, tendo ficado instalada no 4º andar do edifício. Nesta altura e por conselho do Diretor técnico, a Estamparia foi remodelada e apetrechada com máquinas novas de estampagem de chapas, de numeração, de picotagem litográficas e de aplainar que pela produção e qualidade de trabalho, colocavam esta Repartição em situação de satisfazer então, as necessidades do Banco. O Regulamento administrativo de 1891, determinava que deveriam existir balanços semestrais da existência de papel, notas e outro material, acompanhados de um relatório do diretor técnico enumerando os trabalhos realizados. Todas as ordens e instruções para a Estamparia eram emanadas diretamente do Conselho de Administração. Em 18 de Dezembro de 1907, o Conselho de Administração aprovou novo regulamento, criando a Repartição do Serviço de Notas. Nela, estavam abrangidas 4 novas secções: a de emissão e amortização de notas; a de oficinas de fabrico; o depósito; e a de eletricidade. Para as oficinas de fabrico mantiveram-se basicamente os procedimentos anteriores, acrescidos de um maior desenvolvimento de mapas e relatórios.Em 30 de Maio de 1944, foi extinto o lugar de Chefe técnico da Estamparia e, em sua substituição, criou-se o lugar de Chefe da Secção de Gravura e Estampagem para fabrico de notas e títulos.Em Dezembro de 1961, a Administração decide retirar as oficinas, da Repartição do Serviço de Notas, constituindo um serviço próprio – os Serviços Fabris, compreendendo as oficinas gráficas e as de fabrico diverso.Anos mais tarde, em 1976, são extintos os Serviços Fabris e em sua substituição criados dois novos: o Fabril de Notas (compreendendo as secções de Coordenação e Verificação; Oficinas Gráficas de acabamento de notas e Oficinas de Gravura); e o de Tipografia. Em 23 de Março de 1977 o Serviço Fabril de Notas é incorporado na Direção de Serviços de Emissão e Tesouraria.

Fonte imediata de aquisição ou transferência

Incorporação

Sistema de organização

Cronológico

Existência e localização de cópias

Nenhuma

Unidades de descrição relacionadas

PT/BP/BL - Banco de Lisboa