Arquivo Histórico
PT | EN

Plano de classificação

Estatísticas e Estudos

Ações disponíveis

Ações disponíveis ao leitor

Consultar no telemóvel

Código QR do registo

Partilhar

 

Estatísticas e Estudos

Detalhes do registo

Nível de descrição

Subfundo   Subfundo

Código de referência

PT/BP/BP-EE

Código de referência Nyron

BP/EE

Título

Estatísticas e Estudos

Datas de produção

1884-02-19  a  1997-08-26 

Dimensão e suporte

Livros e Caixas ; Centímetros ; Papel

História administrativa/biográfica/familiar

Desde muito cedo a estatística esteve ligada à atividade e funcionamento do Banco de Portugal, como órgão informativo e de estudo, tendo atuado como um precioso auxiliar na tomada de decisões internas de médio e longo prazo, mas também como auxiliar das governações do País, que muito se apoiaram nos dados e pareceres emitidos pelo Banco. Em termos organizacionais, os serviços do Banco foram profundamente modificados em virtude das alterações resultantes do contrato de 1887, estabelecido entre o Banco e o Governo. O relatório de 1888 inseria na 3ª Secção da Repartição de Contabilidade Geral o serviço de "Estatística e Arquivo”. No início, ainda que numa perspetiva de gestão interna, o desconto de letras, os empréstimos sobre penhor, as transferências de fundos, a circulação fiduciária, os depósitos ou as operações cambiais, quer, inicialmente, na Sede, quer, mais tarde, nas agências, mereceram por parte dos serviços do Banco uma quantificação e análise comparativas importantes. Só na década de 20, o Banco de Portugal passou a incorporar nos seus acervos os diversos relatórios anuais dos bancos, casas bancárias e empresas, bem como a enviar e receber de outros bancos comerciais e centrais os relatórios, estatísticas e publicações de economia. Embora continuasse dependente da Repartição de Contabilidade Geral, em 08 de Junho de 1930, o serviço passou a designar-se "Arquivo, Estatística e Estudos Económicos". Nos anos trinta, com o lançamento das bases de uma nova forma de fazer estatística e de organizar estudos, nomeadamente através da análise sistematizada da política e economia mundiais, como também da situação económica do país, a análise dos preços, salários, matérias primas e produções nacionais e coloniais e dos títulos de crédito passaram a merecer uma atenção redobrada. É nesta época que o Banco inicia a publicação mensal do "Boletim do Banco de Portugal" e de outras obras temáticas com artigos estatísticos destinados ao público em geral. Para dar resposta às novas exigências, em 23 de Março de 1932, dando cumprimento a uma disposição dos estatutos do Banco, aprovados pelo Decreto nº 19962, de 29 de Junho de 1931, e ainda dependente da Repartição de Contabilidade Geral, é criada a "Divisão de Estatística e Estudos Económicos", que englobava aqui os então serviços da Biblioteca, de Documentação, de Estatística, da Elaboração de Relatórios e Boletins e o serviço de Arquivo. Em 1971, os serviços são reorganizados na ótica de uma Direção de Serviços, passando a adoptar a designação de Direção de Serviços de Estatística e Estudos Económicos, tendo sido criados diversos núcleos de estudos: as estatísticas financeiras, as estatísticas monetárias, as estatísticas de economia internacional e a estatística monetária interna. Atualmente, as suas principais funções prendem-se com a análise e o aconselhamento sobre questões relevantes para o processo de decisão de política monetária no âmbito do Eurosistema, a análise e previsão da economia portuguesa, com vista ao aconselhamento sobre a política económica nacional e, ainda, à análise do sistema financeiro português, em particular na perspetiva macro-prudencial.

Fonte imediata de aquisição ou transferência

Transferência

Sistema de organização

Cronológico, temático e alfabético

Idioma e escrita

Português, francês, inglês, alemão, espanhol e italiano

Existência e localização de cópias

Parcial

Unidades de descrição relacionadas

PT/BP/BP-DES - Departamento de Estrangeiro; PT/BP/BP-OC - Operações Cambiais; PT/BP/RIMPRENSA - Recortes de imprensa

Notas

Documentação em fase de tratamento.